Plantas medicinais

À semelhança de qualquer medicamento, as plantas medicinais são óptimas para tratar certas doenças ou benéficas em determinadas situações, mas ao mesmo tempo podem ser contra-indicadas noutras. Outras poderão ser nocivas em casos de sobredosagem, dadas as suas propriedades tóxicas.

Sempre que escolher uma planta para um tratamento, consulte a lista de contra-indicações para se certificar que ela não é desaconselhada para a sua situação. A mesma lista inclui também os perigos de toxicidade das plantas em que ele existe.

 


 

Tratar mamilos gretados

Um problema que afecta sobretudo mulheres que amamentam, as gretas dos mamilos são pequenas feridas, úlceras cutâneas, que nos casos mais graves podem afectar seriamente a lactação. São também uma das principais causas de mastites, que são as inflamações consequentes nos seios.

Plantas para a menopausa

A menopausa é uma fase que ocorre por volta dos 50 anos, na qual o aparelho reprodutor feminino encerra o seu funcionamento. Termina a menstruação e os ovários diminuem drasticamente a sua função, cessando a libertação de óvulos. Ao mesmo tempo, a produção hormonal por parte deste órgão torna-se bastante irregular, causando bastantes transtornos, não só físicos, mas também psicológicos.

As plantas medicinais contribuem para a estabilização hormonal, assim como para a regularização das hemorragias habituais devido ao final da menstruação.

Tratar a proctite e o eczema anal

Estes dois problemas, apesar de distintos, surgem bastantes vezes associados um ao outro. A proctite é a inflamação do recto, que leva por vezes ao eczema anal, que consiste numa irritação da mucosa anal.

O tratamento através das plantas medicinais utiliza o efeito suavizante, anti-inflamatório e protector que estas têm.

Tratar problemas da próstata

Alguns dos problemas mais comuns quando falamos da próstata são a prostatite e a hipertrofia. A primeira patologia, uma infecção, é mais comum em jovens ou jovens adultos, enquanto que a segunda, o crescimento exagerado do órgão, é habitual em homens de meia-idade e, sobretudo, idosos.

As plantas medicinais ajudam a tratar tanto um caso como outro, através de efeitos anti-inflamatórios, facilitando a saída da urina e estimulando as defesas do organismo.

Tratar a prisão de ventre

Na maioria das vezes, a prisão de ventre deve-se a problemas no funcionamento do estômago. É sempre recomendável consultar um médico caso esta dure mais de 3 ou 4 dias seguidos, resistindo ao uso de laxantes.

Existem várias plantas medicinais que são laxantes naturais e seguros, agindo de forma suave e sem provocar habituação. A sua acção principal é a estimulação da actividade peristáltica, que facilita e promove a movimentação do instestino; ao mesmo tempo, aumentam também os níveis de água e a secreção de bílis.

Tratar os parasitas dos intestinos

Os parasitas nos intestinos são mais comuns em crianças pequenas, mas podem afectar também os adultos. Originários de maus hábitos alimentares, existem em muitos tipos diferentes, mas podem ser agrupados em três categorias: oxiúros, lombrigas (ascarídeos) ou ténias (também conhecidas como solitárias).

As plantas medicinais têm propriedades que ajudam à libertação destes parasitas (que se prendem às paredes intestinais por meio de ventosas), facilitando a sua expulsão do organismo.

Tratar a gastroenterite

A gastroenterite é a inflamação do estômago e do intestino, sendo causada por microrganismos e com origem em causas variadas, sendo a mais comum a ingestão de alimentos estragados. As suas consequências imediatas são a perda de apetite, vómitos, diarreia e dores cólicas.

Nos primeiros momentos deve evitar ao máximo ingerir alimentos sólidos, preferindo infusões à base destas plantas medicinais. O seu efeito antidiarreico, adstringente, suavizante e anti-inflamatório irá ajudar a resolver este problema.

Tratar a disenteria

A disenteria é o nome dado à diarreia quando esta é acompanhada de sangue. Trata-se de uma patologia bastante comum nas regiões tropicais e afecta seriamente o estado geral do organismo.

As plantas medicinais constituem um importante complemento ao tratamento com antibióticos. Têm um efeito antidiarreico e, sobretudo, hemostático e anti-hemorrágico.

Tratar a diarreia

A diarreia pode ser causada por diversos motivos, mas os transtornos são sempre enormes. Existem bastantes plantas medicinais que têm um efeito anti-diarreico, que ajudam a diminuir este problema.

Os principais efeitos que têm são o adstringente, absorvente, adsorvente anti-séptico e antiespasmódico. Podem ser aplicadas através de infusões, em todos os casos.

Tratar os vómitos

No geral, qualquer planta com efeito antiespasmódico é indicada para o tratamento dos vómitos, na medida em que previne os movimentos estomacais que estão na origem dos mesmos. As que aqui sugerimos, em específico, têm ainda efeitos adicionais como tónico, digestivo e sedante.

Tratar as varizes

As varizes são dilatações permanentes das veias, mais comuns em mulheres, e as origens vão desde a hereditariedade, gravidez, menopausa e obesidade.

Estas plantas medicinais têm, sobretudo, uma dimensão tonificante em relação às paredes venosas, funcionando também como protector capilar. Ao mesmo tempo, activam a circulação venosa, servindo não só como tratamento, mas também como prevenção.

Tratar a úlcera varicosa

A úlcera varicosa surge associada a varizes ou à flebite, normalmente perto do tornozelo, e tem a aparência de uma pequena ferida.

O tratamento deste problema deverá ser associado ao tratamento a varizes e à flebite – uma vez que é nessas doenças que tem a sua origem. A aplicação local destas plantas medicinais terá o potencial de acelerar a cicatrização, juntamente com outras acções como a anti-inflamatória, adstringente e regeneradora.

Tratar a úlcera do estômago

Uma úlcera é semelhante a uma ferida interna, localizada (neste caso) no estômago. É comum fechar e abrir sucessivas vezes, pelo que o seu tratamento pode ser prolongado. As causas para uma úlcera são as mesmas que estão na origem de uma gastrite, e também como nesse caso, a cura total parte da eliminação dos factores que a causaram.

Estas plantas medicinais têm um forte poder curativo e cicatrizante, ao mesmo tempo que funcionam como agente facilitador da digestão e anti-inflamatório.

Tratar queimaduras

As queimaduras podem ser de três graus diferentes, de acordo com os danos que provocam. As plantas medicinais são indicadas para tratar o primeiro (enrubescimento da pele) e o segundo (empolamento). Queimaduras de terceiro grau implicam acompanhamento médico urgente.

Estas plantas têm uma acção cicatrizante, anti-inflamatória e suavizante. A aloé-vera é particularmente eficaz, sendo já amplamente utilizada no meio clínico e em cirurgias plásticas.

Tratar a acidez do estômago

O fenómeno conhecido popularmente como acidez do estômago tem o nome de pirose, e trata-se de excesso de ácido no estômago, que acaba por afectar o esófago. A presença de ácido no estômago é natural e até necessária, daí que a percepção popular desta patologia induza em erro.

As plantas medicinais permitem regular o nível de ácido (reduzindo-o e regulando-o), suavizar o esófago e proteger as mucosas afectadas.

Combater os piolhos

Uma infestação de piolhos, insectos parasitários, tem o nome de pediculose, que causa comichão e várias erupções cutâneas.

As plantas medicinais constituem uma alternativa bastante viável aos tratamentos químicos, combatendo os piolhos através de acções insecticidas e eliminando fungos. A aplicação faz-se localmente.

Combater a obesidade

O tratamento da obesidade através das plantas medicinais baseia-se no seu enorme potencial, mas não deixa de ser um complemento ao tratamento base. Estas plantas têm sobretudo um efeito redutor do apetite, ao mesmo tempo que activam e estimulam o metabolismo. Eliminam também toxinas e resíduos metabólicos.

Melhorar a nutrição

Os problemas de nutrição são recorrentes, e podem originar não só numa alimentação deficiente, mas também na assimilação insuficiente por parte do organismo.

Estas plantas medicinais permitem solucionar estas duas causas: são ricas em nutrientes e ao mesmo tempo facilitam também a assimilação, através da acção tonificante.

Tratar a influência dos nervos no estômago

A célebre experiência de Pavlov com os cães e a campainha provou para lá da dúvida que o sistema nervoso tem influências directas no funcionamento do estômago. Na verdade, uma parte considerável dos problemas digestivos tem origens nervosas.

As plantas medicinais podem contribuir para acalmar o sistema nervoso e assim evitar as consequências que este poderá ter no estômago, ao mesmo tempo que combate os espasmos nervosos.

Tratar intoxicações

As origens de uma intoxicação são bastante variadas, e implicam sempre acompanhamento médico, nalguns casos urgente. As plantas medicinais fornecem um apoio que não substitui o recurso a ajuda profissional em caso de intoxicação.

A violeta, ásaro e sobretudo a ipecacuanha são particularmente úteis devido às suas propriedades eméticas (provocam o vómito). As restantes têm também um efeito adsorvente: retêm nas suas próprias partículas as substâncias tóxicas.

Tratar a insuficiência circulatória

Por definição, fala-se de falta de irrigação sanguínea quando um órgão não recebe a quantidade de sangue que necessita para o seu correcto funcionamento. Um dos órgãos mais afectados é o cérebro, provocando cansaço, tonturas e enjoos, perda de memória e redução da capacidade intelectual.

As plantas medicinais aqui sugeridas dilatam os vasos sanguíneos, ao mesmo tempo que aumentam e melhoram a irrigação.

Tratar a hipotensão arterial

A hipotensão arterial – baixa tensão – manifesta-se por fadiga geral, podendo provocar mesmo tonturas e desmaios.

Para combater a hipotensão, são indicadas plantas medicinais que não só normalizam a pressão arterial, mas funcionam também como um tonificante do sistema cardiovascular.

Tratar a hipertensão arterial

Nem sempre é possível definir as causas da tensão arterial, que se caracteriza pela subida quer da tensão máxima, quer da tensão mínima. Certos problemas, como doenças dos rins, hormonais ou arteriosclerose, são alguns dos motivos que por vezes levam a esta patologia.

As plantas medicinais recomendadas para a hipertensão têm sobretudo um efeito hipotensor, através da dilatação dos vasos, servindo também como um factor de equilíbrio essencial.

Tratar a gota

A gota é uma doença reumatológica, provocada pelo excesso de ácido úrico e frequentemente associada a problemas de alcoolismo ou a uma alimentação defeituosa. O depósito do ácido úrico nas articulações traduz-se em inflamações dolorosas, com inchaços mais visíveis no tornozelo.

As plantas medicinais têm um alto índice de eficácia na eliminação do referido ácido, com uma acção diurética e depurativa, auxiliadas pela acção anti-inflamatória.

Páginas